Ir para o conteúdo principal
  • 29
  • Maio
  • 2013
  • 09:01

A- A+

Artigo do deputado Fábio Sousa: "Por que sou contra a PEC 37"

Artigo do deputado Fábio Sousa (PSDB) publicado no jornal Diário da Manhã, edição de 26.05.2013.

Por que sou contra a PEC 37

Muito se tem falado a respeito de um Projeto de Emenda à Constituição Federal, apresentado pelo deputado Lourival Mendes, do Maranhão, que altera o artigo 144, garantindo competência privativa para polícia federal e civil dos Estados apurarem infrações penais. Na prática, impede o Ministério Público de realizar investigação criminal.

Respeito a posição e os argumentos daqueles que são favoráveis a aprovação da proposta de emenda constitucional nº. 37/2011. Sou extremamente favorável ao fortalecimento da polícia brasileira de modo geral, principalmente das polícias estaduais, para que tenham melhores condições de trabalho, melhor treinamento, com um plano de carreira que valorize o policial no mesmo nível das carreiras jurídicas. Não concordo é com a desautorização dos membros do Ministério Público de conduzir investigações que possam subsidiar a ação penal. Isso é um verdadeiro retrocesso, não só à democracia e ao Estado, mas também à crescente onda benéfica de moralização de nossa sociedade, sobretudo do serviço público.

Acredito que em nenhum momento os membros do Ministério Público queiram usurpar as atribuições das polícias, pelo contrário, percebo neles o reconhecimento da dependência da força policial. Prova disso é que as principais investigações de crimes contra o patrimônio público aconteceram com a parceria e colaboração das polícias com os promotores ou procuradores.

Como cabe privativamente ao MP ajuizar a ação penal pública e por ser este órgão o destinatário da investigação feita pela polícia, é inconcebível destituir os promotores da possibilidade de investigar e colaborar com a elucidação dos fatos. Além de limitar a ação do MP, a PEC restringe a atuação de outras instituições que hoje participam da apuração de condutas criminosas, como a Receita Federal e o Banco Central.

É bem verdade que os abusos devem ser combatidos. Há de se cobrar dos promotores responsabilidade em suas atitudes, bem como da polícia. Mas o próprio Ministério Público possui estrutura para coibir estes abusos. E a palavra final sempre será do Poder Judiciário. Além disso, uma lei complementar poderia regular a autorização para o MP investigar, estabelecendo inclusive responsabilidade por qualquer desvio.

Penso que, atualmente, a sociedade brasileira deve lutar pelo fortalecimento de todas as instituições, principalmente daquelas que lidam com o combate ao crime. Está na hora de um grande pacto pela segurança e do estabelecimento de uma rede de colaboração. Não podemos mais aceitar instituições rivalizadas, que não se comunicam, nem aproveitam o trabalho uma da outra. Enquanto isso acontece, o crime agradece e a população padece.

Proibir o Ministério Público de investigar não interessa a ninguém. Trata-se de um equívoco cometido em pouquíssimas nações no mundo como Quênia, Indonésia e Uganda. Equívoco que não pode ocorrer no Brasil!

Gabinete: Fábio Sousa

Assembleia em Tempo Real

27/07/2017

13:03 - Encerramento das atividades

12:37 - Por iniciativa de Luis Cesar Goiás comemorará a Semana dos Contadores de Histórias

11:31 - Governo sanciona projeto que institui Empresa Amiga da Educação

10:11 - Nova lei de iniciativa de Diego Sorgatto garante direito a diabéticos tipo 2

08:04 - Projetos assinados pela deputada Isaura Lemos passam pelo crivo da Assembleia

06:50 - Início das atividades

26/07/2017

13:06 - Encerramento das atividades

12:41 - CCJ avalia criação de programa para ressarcimento de gastos em saúde

11:11 - Programa Vez do Consumidor debate as novas regras para despachar bagagem

09:26 - Governo estadual concede recurso financeiro à Academia Goianiense de Letras

07:33 - Governador sanciona projeto que incentiva o comércio exterior

06:55 - Início das atividades

24/07/2017

13:10 - Encerramento das atividades

12:35 - Política de compra de produção da agricultura familiar é instituída em Goiás

11:36 - Iso Moreira apresentou no 1° semestre de 2017 projetos que criam colégios militares

10:17 - CCJ analisa proibição da venda de cola de sapateiro no Estado de Goiás

08:13 - Francisco Jr foca projetos em saúde, meio ambiente e educação

06:50 - Início das atividades

21/07/2017

13:12 - Encerramento das atividades

12:39 - Já vigora lei que penaliza fraudadores de abastecimento de combustível em Goiás

11:08 - Carlos Antonio propõe que asilos mantenham sistema permanente de videomonitoramento

09:11 - Programa Primeiros Passos é sancionado pela Governadoria

07:27 - Governador sanciona Lei que cria Cadin Estadual

06:51 - Início das atividades

Assembleia Legislativa do Estado de Goiás - Palácio Alfredo Nasser - Alameda dos Buritis, 231
Setor Oeste - CEP: 74115-900 - Tel: (62) 3221-3000.

Carregando...