Ir para o conteúdo principal

Dep. Helio de Sousa

A- A+

Responsabilidade fiscal

Deputados repercutem aprovação de lei que amplia possibilidade de repasses para municípios, sem possibilidade de punição, que passa a valer a partir deste ano. Helio de Sousa, Júlio da Retífica e Lívio Luciano opinam sobre as novas regras.

A partir deste ano, municípios com déficits em suas receitas poderão ser isentados de punições até então previstas na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF - Lei Complementar 101/00). O benefício permite que transferências voluntárias, obtenção de garantias diretas e indiretas de outros entes e contratação de operações de créditos continuem a ser efetuadas mesmo quando as despesas com pessoal se mantenham acima do limite.

A exceção será concedida, no entanto, apenas aos municípios que comprovarem queda de receita superior a 10% em comparação ao mesmo quadrimestre do ano anterior. A concessão só será liberada, porém, caso os déficits se deem em razão da diminuição nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), seja em decorrência de isenções fiscais ou pela diminuição das receitas recebidas de royalties e outras participações especiais.

Segundo a LRF, por regra, o somatório dos gastos com ativos, inativos e pensionistas, assim como de qualquer servidor, não deve ultrapassar o montante máximo de 60% do orçamento municipal. Caso isso ocorra, e não haja a devida correção dentro dos prazos estipulados na Lei, o ente passará a sofrer, então, sanções, que envolvem a limitação de acesso a outras possibilidades de repasses, conforme situações discriminadas na abertura desta matéria.

Na avaliação do deputado Helio de Sousa (PSDB), ex-prefeito de Goianésia, as inovações fazem justiça àqueles municípios que se viam até então prejudicados por penalidades que independiam da qualidade de suas gestões. “A lei é interessante, pois dá proteção aos municípios e evita que estes sofram penalidades e recessão”, pontuou.

Em repercussão ao assunto, Júlio da Retífica (PTB), ex-prefeito de Porangatu, faz coro à fala do colega tucano. “Nós temos visto que as receitas estão caindo e as responsabilidades para os municípios sempre crescendo. À medida que os governos, tanto federal quanto estaduais, não cumprem com os seus compromissos, os prefeitos são obrigados a cumprir, porque estão lá pagando o transporte escolar, mantendo os hospitais abertos. Só que os recursos, às vezes, não chegam, e isso acaba prejudicando a administração de uma pessoa de bem, fazendo com que deixe de cumprir compromissos firmados juntos à população”, avaliou.

Já o atual relator da Lei Orçamentária Anual (LOA) nesta Casa de Leis, deputado Lívio Luciano (Podemos), disse, ao comentar a matéria, que as alterações sancionadas não passam de flexibilizações paliativas, incapazes, portanto, de atacar a verdadeira raiz do problema. Este, para ele, só seria devidamente solucionado mediante uma distribuição mais equitativa das arrecadações da União entre os Estados e Municípios.   

“Hoje em dia, grande parte das receitas são arrecadadas pelo Governo Federal, que retém igualmente a maior parte dos recursos. E os estados e municípios, especialmente estes últimos, que é onde o cidadão mora, onde o problema é mais emergencial e precisa ser acudido, sobretudo na área da saúde, ficam com a menor parte. Com isso, são obrigados a percorrer uma via crucis para poder conseguir recursos junto à União. Em razão disso, muitas regras vão sendo colocadas, e a LRF é um exemplo”, argumenta.

Luciano considera que as modificações na legislação são uma espécie de “último suspiro” para os municípios, que padecem cada vez mais com a falta de recursos. “Estão buscando paliativos que não vão resolver o problema. A solução só poderá ser alcançada com a elaboração de um novo Pacto Federativo, onde sejam compartilhados não só impostos, mas todo o tributo cobrado e arrecadado, como as várias contribuições que a União recebe”, defendeu.

As recentes alterações na LRF foram sancionadas no dia 12 de dezembro passado, pelo presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM/RJ), ocasião em que assumia interinamente a presidência da República.

Assembleia em Tempo Real

18/01/2019

13:12 - Encerramento das atividades

12:52 - Primeira prova do concurso da Alego ocorre neste domingo, dia 20

11:02 - Protagonista dos últimos meses Lívio Luciano faz balanço de seu trabalho como deputado

10:42 - Henrique Arantes quer revogação de lei sobre isonomia e pensões

09:49 - José Nelto propõe que municípios goianos do entorno do DF se tornem região metropolitana

08:51 - Bruno Peixoto defende inserção da Romaria de Guarinos no Calendário Cultural de Goiás

07:17 - Talles Barreto propõe alteração em lei que beneficia servidor portador de deficiência

06:55 - Início das atividades

17/01/2019

13:07 - Encerramento das atividades

12:33 - Pojeto de lei de Simeyzon Silveira visa desenvolver programas assistenciais

11:03 - Projeto obriga hospitais a ter equipamentos para mamografia em mulheres deficientes

09:07 - Festival de Orquídeas de Piracanjuba pode integrar calendário oficial do Estado

07:21 - Proposta prevê contrapartida a empresa que financiar bolsas de estudo

06:51 - Início das atividades

16/01/2019

13:29 - Encerramento das atividades

12:55 - Descumprimento de Lei que combate crimes contra a mulher está apta a análise do Plenário

11:34 - Deputados manifestam pesar pela morte do juiz Adir Barreto

11:34 - Francisco Oliveira admite sessões extras na Assembleia a partir de 22 de janeiro

10:40 - Isaura Lemos propõe política de prevenção à violência doméstica em Goiás

09:05 - Álvaro Guimarães se solidariza com Talles pela morte do pai dele, Antônio Barreto

07:55 - Proposta que implementa Estatuto da Família em Goiás tramita na CCJ

07:15 - Presidente da Assembleia manifesta pesar pela morte do pai do deputado Talles Barreto

06:44 - Início das atividades

15/01/2019

23:01 - Encerramento das atividades

Assembleia Legislativa do Estado de Goiás - Palácio Alfredo Nasser - Alameda dos Buritis, 231
Setor Oeste - CEP: 74115-900 - Tel: (62) 3221-3000.

Carregando...