Ir para o conteúdo principal

A- A+

A Polícia Militar do Estado de Goiás está sangrando!

Pronunciamento do deputado Major Araújo (PRB) feito em plenário no dia 16.02.2011.

* Major Araújo - Deputado estadual PRB
Presidente da Unimil – União dos Militares do Estado de Goiás


Os últimos acontecimentos referentes à Operação Sexto Mandamento da Polícia Federal abriram uma ferida muito grande em nossa corporação, que, neste instante, se sente desamparada, desprotegida e exposta.

Denegriram os 153 anos desta entidade com manchas de sangue, através de acusações e suposições. Esqueceram os anos de serviços prestados e, por meio de suspeita, estampam manchetes, que, para alegria de alguns, ridicularizam nossos homens e mulheres. Entretanto, devemos avaliar com bastante cuidado essa situação, que é muito mais complexa do que parece.

Neste momento, todos os 13 mil policiais militares de Goiás se sentem acuados. Do soldado ao coronel, todos se sentem sem proteção ou respaldo jurídico. O que percebemos no dia 15 de fevereiro foi uma violação aos princípios constitucionais do devido processo legal e da ampla defesa e contraditório. Em uma operação que, segundo os articuladores, corre em segredo de justiça, os nomes dos suspeitos foram expostos, enquanto se encontram nebulosas as provas que culminaram nas prisões.

Enquanto observamos aplausos por uma “operação perfeita”, ouvimos o clamor e o choro das dezenas de famílias de desaparecidos, que, por um período, sentem o cheiro de justiça, a qual pode ser em vão, pois não sabemos do que se tratam essas acusações. Essas famílias que sofrem pela falta de informações de seus entes queridos não podem ser personagens de história. Suas dores são reais e precisam ser sanadas e não apenas remediadas com a apresentação de suspeitos. No Brasil, temos leis, as quais precisam ser observadas.

Queremos a justiça e que os culpados sejam condenados exemplarmente. Mas não podemos, por ineficiência do processo, apenas encontrar suspeitos e entregarmos à imprensa, como caça aos leões. As famílias que choram continuarão chorando até que a justiça realmente prevaleça.

Aliás, neste momento, as lágrimas se multiplicam. Os familiares dos militares suspeitos estão vivenciando momentos de penúria. As prisões, da maneira como foram feitas e os expuseram, já os condenaram, sem que os mesmos tivessem direito à defesa. O noticiário brasileiro decretou os culpados, enquanto as famílias dos desaparecidos e dos policiais presos seguem na incerteza.

Outro ponto a ser analisado é a periculosidade de nossos militares, que, até o dia 14 de fevereiro, estavam aptos a defender os nossos cidadãos e, de repente, com a prisão decretada, tiveram de ser levados para penitenciárias nacionais de segurança máxima de outro Estado. Infelizmente, está se tornando rotina essa prática, a qual denigre nossos policiais, principalmente pelo fato de não passarem por nenhum tipo de julgamento.

Neste momento tão delicado, encontramos vários tipos de suposições que tentam explicar os motivos da Operação Sexto Mandamento. Há burburinhos de uma possível perseguição política, fato que não acredito, pois sei que o nosso governador, Marconi Perillo, não é capaz de transformar o sangue derramado e as lágrimas dessas quase viúvas em assunto de palanque. Conheço o senso de justiça do Governador e sei que ele estará atento para que a justiça seja feita.

Assim, reafirmo que, através da Presidência da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa, estaremos atentos a todos os assuntos referentes à Segurança em Goiás, inclusive no que diz respeito à qualificação de nossos serviços, a qual se dá com um efetivo devidamente treinado e tratado com dignidade. Neste momento, solidarizo-me com as famílias de entes desaparecidos, comprometendo-me a fazer de tudo para encontrá-los e, caso sejam vítimas, que os culpados sejam punidos. Da mesma forma, coloco-me à disposição dos militares presos, para que os mesmos tenham seus direitos e dignidade preservados. Devemos estar atentos para que a justiça esteja presente neste momento.


Assembleia em Tempo Real

18/01/2019

13:12 - Encerramento das atividades

12:52 - Primeira prova do concurso da Alego ocorre neste domingo, dia 20

11:02 - Protagonista dos últimos meses Lívio Luciano faz balanço de seu trabalho como deputado

10:42 - Henrique Arantes quer revogação de lei sobre isonomia e pensões

09:49 - José Nelto propõe que municípios goianos do entorno do DF se tornem região metropolitana

08:51 - Bruno Peixoto defende inserção da Romaria de Guarinos no Calendário Cultural de Goiás

07:17 - Talles Barreto propõe alteração em lei que beneficia servidor portador de deficiência

06:55 - Início das atividades

17/01/2019

13:07 - Encerramento das atividades

12:33 - Pojeto de lei de Simeyzon Silveira visa desenvolver programas assistenciais

11:03 - Projeto obriga hospitais a ter equipamentos para mamografia em mulheres deficientes

09:07 - Festival de Orquídeas de Piracanjuba pode integrar calendário oficial do Estado

07:21 - Proposta prevê contrapartida a empresa que financiar bolsas de estudo

06:51 - Início das atividades

16/01/2019

13:29 - Encerramento das atividades

12:55 - Descumprimento de Lei que combate crimes contra a mulher está apta a análise do Plenário

11:34 - Deputados manifestam pesar pela morte do juiz Adir Barreto

11:34 - Francisco Oliveira admite sessões extras na Assembleia a partir de 22 de janeiro

10:40 - Isaura Lemos propõe política de prevenção à violência doméstica em Goiás

09:05 - Álvaro Guimarães se solidariza com Talles pela morte do pai dele, Antônio Barreto

07:55 - Proposta que implementa Estatuto da Família em Goiás tramita na CCJ

07:15 - Presidente da Assembleia manifesta pesar pela morte do pai do deputado Talles Barreto

06:44 - Início das atividades

15/01/2019

23:01 - Encerramento das atividades

Assembleia Legislativa do Estado de Goiás - Palácio Alfredo Nasser - Alameda dos Buritis, 231
Setor Oeste - CEP: 74115-900 - Tel: (62) 3221-3000.

Carregando...