Acesso à
Transparência

Eleições de 2020 têm calendário definido. Vários parlamentares podem sair candidatos a prefeito em várias cidades

31 de Julho de 2020 às 11:30
Crédito:
Eleições de 2020 têm calendário definido. Vários parlamentares podem sair candidatos a prefeito em várias cidades
Eleições municipais 2020

Inicialmente o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) previa o primeiro turno em 4 de outubro, e o segundo, em 25 de outubro. Mas no início de julho, o Congresso Nacional aprovou uma proposta de emenda à Constituição (PEC), que alterou as datas do calendário eleitoral desse ano em razão da pandemia da covid-19. Agora, o primeiro turno acontecerá no dia 15 de novembro, e o segundo, no dia 29 de novembro.

Em Goiânia, existem, até o momento, 12 pré-candidatos a prefeito. Na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) têm vários prováveis nomes que pretendem concorrer à prefeitura da Capital. Podem entrar nessa disputa, a deputada Delegada Adriana Accorsi (PT), o deputado Delegado Eduardo Prado (DC) e os deputados Major Araújo (PSL), Talles Barreto (PSDB), Virmondes Cruvinel (Cidadania), Alysson Lima (Solidariedade), Thiago Albernaz (Solidariedade), além de Bruno Peixoto (MDB), citado como pré-candidato a vice-prefeito.

Entre os atuais parlamentares são pretensos candidatos ainda, os deputados estaduais: Cairo Salim (Pros), Gustavo Sebba (PSDB), Julio Pina (PRTB), Lêda Borges (PSDB), Dr. Antonio (DEM), Delegado Humberto Teófilo, Álvaro Guimarães e Amauri Ribeiro (Patriotas), que poderão concorrer nas seguintes cidades respectivamente: Aparecida de Goiânia,  Catalão, Senador Canedo, Valparaíso, Trindade, Inhumas, Itumbiara e Caldas Novas. Já os deputados, Diego Sorgatto (DEM) e Wilde Cambão (PSD) são prováveis candidatos à prefeitura no município de Luziânia.

Porém, as candidaturas só serão confirmadas após as convenções partidárias. E também por causa da pandemia do novo coronavírus, as convenções partidárias para a escolha de candidatos, que aconteceriam de 20 de julho a 5 de agosto, serão realizadas no período de 31 de agosto a 16 de setembro.

Além disso, para atender às recomendações médicas e sanitárias, os partidos políticos poderão realizar suas convenções em formato virtual para a escolha de candidatos e formação de coligações majoritárias, bem como para a definição dos critérios de distribuição dos recursos do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC). As legendas devem garantir ampla publicidade, a todos os seus filiados, das datas e medidas que serão adotadas.

Calendário eleitoral

Confira abaixo como ficam outras datas do calendário eleitoral deste ano:

O prazo final para registro das candidaturas é dia 26 de setembro;

A partir desta data começa o prazo para que a Justiça Eleitoral convoque partidos e representação das emissoras de rádio e TV para elaborarem plano de mídia;

Após 26 de setembro será iniciada a propaganda eleitoral, que ocorre também na internet;

Já 27 de outubro é o prazo para partidos políticos, coligações e candidatos divulgarem relatório discriminando as transferências do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (Fundo Eleitoral), os recursos em dinheiro e os estimáveis em dinheiro recebidos, bem como os gastos realizados;

E então acontece o primeiro turno da eleição em 15 de novembro e o segundo dia 29.

Agência Assembleia de Notícias
Compartilhar