Ex-ministro faz lançamento de livro na Alego

07 de Dezembro de 2018 às 07:29
Crédito: Marcos Kennedy
Ex-ministro faz lançamento de livro na Alego
Lançamento Livro José Dirceu

A Assembleia Legislativa de Goiás sediou na noite dessa quinta-feira, 6, o lançamento do livro do ex-ministro do governo de Luiz Inácio Lula da Silva e ex-presidente do Partido dos Trabalhadores (PT) José Dirceu. A obra, intitulada “Zé Dirceu – Memórias Volume 1”, foi apresentada e comercializada no Auditório Solon Amaral.

O ex-ministro começou a solenidade enfatizando o quanto o Brasil mudou nos últimos anos, e como sua vida foi alterada desde a prisão, em 15 de novembro de 2013, acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Com a Polícia Federal e a Justiça tendo comprovado os crimes cometidos por Dirceu, o petista foi condenado por corrupção, lavagem de recursos e diversas outras ilegalidades — ele está cumprindo pena em liberdade enquanto aguarda julgamento de recursos.

Dirceu disse aos presentes que o país vive um momento especial, não só porque o PT perdeu a eleição, mas porque houve uma retomada da direita ao poder. Insistiu na tese de golpe parlamentar judiciário contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Falou que a prisão do ex-presidente Lula faz parte de um processo da direta do país, de retomada do Poder. "Nós, do Partido dos Trabalhadores, não chegamos à Presidência da República através da força, mas pela eleição. Foram 30 anos de trabalho.”

Dirceu resgatou ainda um pouco da história brasileira, lembrando o fim da ditadura militar e a retomada do processo democrático, responsável pela volta a legalidade de pessoas e partidos e o surgimento de tantos outros. Estabeleceu também uma linha de comparação entre o processo de golpe militar de 1964 e a retomada ao poder da atual direita.

“O estabelecimento de uma ditadura militar é um processo, não é do dia para noite. Eles tentaram várias vezes no passado e foram barrados, até terem êxito em 1964.  Existe uma coalizão militar no núcleo do Palácio do Planalto hoje. O mote contra a corrupção sempre foi o instrumento da direita para ascensão ao poder e nós temos a obrigação de fazer oposição a este governo, afinal, foram 47 milhões de votos nas eleições, mostrando que nem todo o país concorda com Bolsonaro”, avaliou Dirceu.

Por fim, o ex-ministro disse ser necessário fazer uma releitura do Brasil e reanalisar o PT. Afirmou que o mundo já percebeu que a violência contra a violência não funciona e que nesse sentido, o Brasil regrediu e muito. “Nós fomos as ruas com a classe média progressista, mas o povo estava onde? Precisamos rever o PT. Mas nós temos forças para enfrentar isso, eles não terão um Governo fácil. Minha mensagem aqui, hoje, é de esperança no futuro”, finalizou.

Obra

José Dirceu já passou por 19 capitais realizando debates e sessões de autógrafos e encontros com a militância. Rodou mais de 10 mil quilômetros, em parte do Centro-Oeste, Sul, Sudeste, Nordeste e Norte. Após as tumultuadas eleições de outubro passado, retornou o road movie de lançamentos da sua obra passando por São Paulo, Belo Horizonte, Florianópolis, Porto Alegre e Palmas. As próximas paradas do mês de dezembro estão programadas para Curitiba, dia 10, Campo Grande, 14, e Cuiabá, 17. Com tiragem de 30 mil exemplares na primeira edição, em setembro, a obra do petista esteve na lista dos livros mais vendidos do País. 

Compartilhar