Ir para o conteúdo principal

A- A+

Parlamentares repercutem financiamento de campanha e sistema distritão

Durante a sessão ordinário no Plenário da Assembleia Legislativa, na tarde desta quinta-feira, 10, os parlamentares repercutiram a votação na Comissão da Câmara Federal, da proposta que discute as mudanças no sistema eleitoral.

A Comissão Especial aprovou a emenda que estabelece o chamado “distritão”, como também, dobrar o valor previsto de recursos públicos para o financiamento de campanhas eleitorais, que passou de 0,25% da receita para 0,5%. Um valor estimado de 3,6 bilhões de reais.

O deputado José Nelto (PMDB), afirmou ser contrário às duas votações. Segundo Nelto, o ‘distritão’ é uma forma de proteger os grandes deputados que estão envolvidos na operação Laja Jato. “O ‘distritão’ acaba com os partidos políticos. Acaba com a fidelidade partidária”, salientou.

Por outro lado, o peemedebista chamou de “aberração” o Fundo Especial de Financiamento da Democracia, ou financiamento público. “O Congresso Nacional está tirando 3,6 bilhões de reais da população para financiamento de campanha. Isso é um absurdo, isso é corrupção. Esse dinheiro deveria ser usado na saúde, na educação e na Segurança Pública”, finalizou.

Simeyzon Silveira (PSC) se colocou favorável ao ‘distritão’, embora prefira o modelo distrital, por regiões. “Eu entendo que tudo aquilo que inibe ou dificulte a criação de novos partidos e que ajude a dissolvê-los, que muitas vezes são partidos de aluguel, é valido. Acredito que é um modelo melhor que o atual”, afirmou.

No que diz respeito ao financiamento de campanhas, Silveira se posicionou favorável. “Deve haver um tipo de financiamento, ou público ou privado. O que não pode acontecer é não ter como usar de financiamentos para as campanhas”. Segundo ele, sem este tipo de suporte financeiro permitido por Lei, o processo fica elitizado, favorecendo de forma demasiada os candidatos com alto poder aquisitivo. 

Já a deputada Isaura Lemos (PC do B) tem um entendimento totalmente contrário ao ‘distritão’, porém, é favorável ao financiamento público. “O voto ‘distritão’ vai favorecer apenas aqueles candidatos que têm uma estrutura econômica forte para se eleger como representante da população. Ele não propicia uma integração maior da população nas Assembleias”.

O financiamento público, segundo a deputada, é uma forma de inibir o poder das empresas dentro dos parlamentos. “Somos contra o financiamento de empresas nas campanhas, porque os candidatos eleitos representam os interesses das empresas e não da população”, frisou.

Henrique Arantes (PTB) defende o voto por distritão, entretanto, posiciona-se contra o financiamento público de campanha”. O parlamentar falou que defende o sistema distritão há muito tempo. "Acho que os mais votados têm que se eleger. Não é justo que quem o povo escolhe não o represente”.

Arantes defende que o financiamento de campanhas deve ser feito pelo mercado, modelo que era implantado no país. “Quem deveria financiar as campanhas deveria ser o mercado. A economia é que financia a eleição. E é hipocrisia nossa achar que não deve haver representantes de seguimentos. A democracia é representativa”, salientou.

Distritão

O chamado Distritão é uma forma diferente pela qual os representantes das Assembleias Legislativas, Câmara Federal, Senado e Câmaras municipais elegeriam seus representantes. Hoje o modelo usado é o proporcional, no qual, muitas vezes, não é o candidato mais votado quem se elege, e sim os mais votados dentro da coligação partidária.

Nesse modelo, os votos são distribuídos pela coligação e não são depositados diretamente para o candidato. Após o cálculo do quociente eleitoral, somando os votos válidos nos candidatos e no partido ou coligação, são definidos os números de cadeiras que cada coligação terá direito, e só então são definidos, por número de votos, quais os candidatos que estarão eleitos.

Por isso, muitas vezes, uma coligação que possui um candidato ‘puxador de votos’, consegue mais vagas, e um candidato que possui uma votação menos expressiva acaba sendo eleito por fazer parte da coligação.

No distritão, os eleitos são os candidatos que possuem mais votos em seus nomes. Partidos e coligação não são mais considerados. É como nas votações marjoritárias para o Executivo.

Financiamento Público

Ao apresentar o parecer, o relator da matéria, deputado federal Vicente Cândido (PT-SP), dobrou o valor previsto de recursos públicos que serão usados para financiar campanhas eleitorais, que antes era de 0,25 % da receita corrente líquida do governo em 12 meses, e agora passa a ser 0,5%. O valor é de 3,6 bilhões de reais que serão destinados a campanhas políticas. 

Assembleia em Tempo Real

20/02/2018

18:59 - Encerramento das atividades

18:36 - Deputado Marlúcio entrega título de cidadã a superintendente da Caixa, Marise Fernandes

18:11 - CPI da Goiás Turismo faz reunião para avaliar relatório final da investigação realizada

17:10 - Sessão ordinária é encerrada no Plenário Getulino Artiaga

17:05 - Título a Ricardo Balestreri e outras duas matérias de Eliane Pinheiro são aprovadas pelo Plenário

17:00 - Em primeira votação, Plenário aprova utilidade pública de entidades sociais

16:52 - Plenário aprova em 1ª fase matéria que doa terreno para Adfego produzir cadeiras de rodas

16:51 - Deputados votam projetos de lei constantes da Ordem do Dia

16:50 - Plenário derruba requerimento sobre intervenção militar na Segurança Pública goiana

16:48 - Major Araújo se declara contrário a requerimento apresentado por José Nelto

16:46 - Gustavo Sebba se manifesta contra requerimento que pede intervenção do Exército na segurança pública

16:44 - Lucas Calil manifesta contrário a requerimento de intervenção e defende rigor a criminosos reincidentes

16:42 - Isaura Lemos declara voto contrário à requerimento proposto por José Nelto

16:41 - José Nelto defende requerimento de pedido de Intervenção Federal no Estado

15:58 - Da tribuna, Lêda Borges destaca conquistas em gestão de três anos como titular da Secretaria Cidadã

15:53 - Bruno Peixoto cobra derrubada de vetos às emendas orçamentárias dos deputados

15:48 - Mané de Oliveira critica pedido de intervenção federal na Segurança Pública de Goiás

15:43 - Wagner Siqueira defende candidatura própria do MDB ao Governo de Goiás

15:38 - Luis Cesar Bueno critica corte de emendas parlamentares feito pelo Governador

15:37 - Discursos do Pequeno Expediente são iniciados

15:36 - Deputados fazem minuto de silêncio em memória de Mauro Borges Júnior

15:28 - Assembleia recebe 23 projetos na primeira sessão do ano

15:12 - Quinze deputados apresentam matérias e requerimentos na sessão plenária desta tarde

15:03 - Presidente José Vitti abre a sessão ordinária no Plenário Getulino Artiaga

Assembleia Legislativa do Estado de Goiás - Palácio Alfredo Nasser - Alameda dos Buritis, 231
Setor Oeste - CEP: 74115-900 - Tel: (62) 3221-3000.

Carregando...