Acesso à
Transparência

Francisco Júnior aponta crescimento do Estado durante discurso

19 de Fevereiro de 2015 às 16:37
Discurso proferido pelo deputado Francisco Júnior (PSD) em nome da situação, durante sessão especial inaugural de instalação da 18ª Legislatura. (19.02.2015)

Em tempos de crise e desconfiança com os políticos, concretizar a expectativa de um parlamento à altura das aspirações dos goianos e do interesse público, em que o cidadão participe das discussões e das decisões que buscam solucionar os problemas do nosso estado. Este é o grande desafio deste colegiado e de cada um dos parlamentares desta casa, seja da base aliada ou da oposição.

E nos dias atuais, onde as situações de violência praticadas pelo ser humano contra o outro são tão banais, é preciso trabalhar também para superar a crise de valores que vivemos. Apesar de conhecido por todos esse sentido de valor encontra-se maculado, empobrecido e deformado pelas violências do mundo.

Aristóteles, em Ética à Nicômaco, confirmou que um dos caminhos naturais do homem é a política e que, sem ela, seria difícil o homem ser feliz, pois fugiria da tendência natural de buscar um bem maior. Da evolução desse conceito decorreram a formatação do Estado e surgiu o Parlamento, com grande importância e papel determinante na vida pública.

Antes meramente consultivo, o parlamento incorporou a função de representação social e fiscalização do poder do governante. É aqui que os interesses e argumentos dos envolvidos em cada ideia, proposta ou projeto de lei ganharão corpo e serão confrontados, seja com outros argumentos ou com dados e números da nossa realidade social e administrativa.

Neste contexto e com o cenário atual, a grande missão que nós temos é a de trabalhar para que o legislativo não se torne um lugar apenas para o confronto cego e surdo de forças políticas e, por conseqüência, mais um empecilho na resolução desses problemas. Temos que superar as mazelas, desvios de conduta e desperdícios vistos nos entes públicos, que estimulam o descrédito e tanto geram desconfiança na população.

Vivemos um tempo em que a população está cada vez mais exigente com relação à transparência e a lisura nas contas públicas. Assim, temos que trabalhar muito para oferecer isto à sociedade, e sei que é uma das prioridades do presidente Helio de Sousa dar prosseguimento às medidas para aprimorar a divulgação da rotina administrativa e legislativa desta Casa.

E falo nestas mudanças com muita esperança, como integrante de um grupo que confia na continuidade da transformação que vem sendo implementada em Goiás pela gestão de Marconi Perillo e sua base. E isto, num futuro que se desenha muito difícil, em tempos de recessão econômica nacional que atinge a união, os estados e principalmente municípios, com uma crise energética e hídrica que se avizinha.

O próprio governador destacou, em discurso nesta Casa, que a meta nos próximos anos é avançar no desenvolvimento do estado, expandindo fronteiras e trabalhando para que Goiás alcance um protagonismo ainda maior no cenário nacional. Dar exemplo a todo o País demonstrando que é possível manter o equilíbrio financeiro e fiscal de um governo com uma gestão mais enxuta, ainda assim conquistando bons resultados.

E isso já começou com as ações de gestão em execução pelos secretários da Fazenda e de Planejamento, Ana Carla Abrão e Thiago Peixoto, e que buscam manter e aprimorar a nossa competitividade. Medidas duras que estão sendo tomadas desde o final do ano passado para melhorar ainda mais a eficiência da máquina pública e a qualidade dos seus serviços, com diretrizes em consonância com o posicionamento de grupos e entidades do Movimento Goiás Competitivo.

Modernização esta que já foi feita no passado em diversas áreas, com muitos exemplos para mostrar, entre eles a estruturação e ampliação da rede de atendimento do Vapt Vupt pelo interior, a melhoria dos atendimentos na saúde com as OS’s e a reconfiguração do modelo de assistência social com uma grande rede de proteção formada pelo Renda Cidadã, Cheque Moradia e Bolsa Universitária, entre outros programas sociais.

Programas sociais goianos, aliás, que são referência não apenas para o País mas até internacional, caso do Renda Cidadã, que serviu de inspiração para a criação do Bolsa Família pelo governo federal.

O governo do Peru utiliza o mesmo sistema e a Organização das Nações Unidas (ONU), além de destacar os resultados dos programas de transferência de renda, concedeu à Agehab o Prêmio Internacional de Dubai de melhores práticas para melhoria das condições de vida.

200 mil famílias beneficiadas pelo Renda Cidadã, outros 157 mil goianos atendidos pela Bolsa Universitária, 150 mil famílias pelo Cheque Moradia e o Cheque Mais Moradia. Programas sociais que atendem à parte mais vulnerável da população, destinados a reduzir as desigualdades sociais históricas da sociedade e auxiliar em sua inclusão social, mas que também promovem a sua capacitação, como no caso dos 500 mil goianos qualificados para o mercado de trabalho com a Bolsa Futuro.

É indiscutível que nos últimos anos a vida do povo brasileiro teve uma melhora significativa. E em Goiás isto foi ainda mais expressivo, com o estado sendo alçado à condição de uma das dez maiores economias brasileiras, com crescimento superior à média nacional. Segundo os últimos números divulgados pelo Instituto Mauro Borges, apenas no ano de 2012, o crescimento do Produto Interno Bruto estadual foi cinco vezes maior que o brasileiro. Enquanto Goiás apresentou uma taxa de crescimento de 5,4%, o índice do Brasil foi de 1,0%.

Com a atração de mais investimentos, novas indústrias e empresas, ano após ano o povo goiano vê ampliado o seu acesso a empregos e pode sentir no bolso a melhora em sua renda. Desde o ano 2000 temos, em média, mais de 64 mil novos empregos formais gerados, um dos mais altos índices do país e superior a média nacional, numa clara evidência de que a política econômica estadual, e programas como o Produzir, de consolidação da industrialização e incentivos para estabelecer Goiás como polo de serviços e logística, estão no caminho certo.

E também fazem parte deste trabalho de modernização do estado, em que o desenvolvimento econômico está aliado aos benefícios sociais, os investimentos em infraestrutura realizados nos últimos quatro anos em Goiás, principalmente pelo programa Rodovida. Foram 4.460 quilômetros de estradas construídas e outros 4.400 quilômetros refeitos, sendo que ainda temos mais 1.600 quilômetros de reconstruções em andamento.

Muito mais do que apenas melhorar as condições de tráfego em nossas estradas, suas ações permitiram um melhor escoamento da produção, evitando desperdício e reduzindo os custos para o setor produtivo, que ganha em poder de investimento. Além disso, foram iniciadas importantes obras estruturantes como o Aeroporto de Cargas de Anápolis, o Condomínio Empresarial Tecnológico de Catalão e a implantação dos Parques Tecnológicos de Anápolis, Goiânia e Aparecida de Goiânia.

Nossa capital, aliás, tem recebido grande atenção do governo, com obras como o Centro Cultural Oscar Niemeyer; o Hugo 2 na Região Noroeste; o Centro de Excelência do Esporte; a reforma do Autódromo; a duplicação - com iluminação e ciclovia - de duas importantes rodovias que saem da capital, a GO-020 e a GO-060; os viadutos das GOs 060 na saída para Trindade, GO-070 na saída para Inhumas, GO- 040 no Setor Madre Germana, saída para Aragoiânia, e a extensão do Eixo Anhanguera.  

Intervenções na cidade que mostraram ao goianiense o lado realizador e tocador de obras do governador e sua administração, que beneficiam sobretudo regiões mas afastadas e nas saídas da capital, onde historicamente sempre houve maior dificuldade de alcance do poder público. Obras que tem grande repercussão inclusive na valorização dessas regiões, que passam a ter facilidade de acesso a empresas e a serviços públicos e melhor qualidade de vida.

É a melhor geração e distribuição social das riquezas produzidas em nosso estado que se configuram como o grande diferencial das gestões de Marconi Perillo e que mudaram a nossa realidade. Entre outras coisas, Goiás passou a ter a sua riqueza cultural, artística e histórica - antes apenas potencialidades - descobertas e incentivadas, e aquilo que é produzido pelas mãos e pelas mentes goianas ganhou o País, muito graças a uma visão moderna e interdisciplinar.

Parte primordial nessa modernização, nossa educação viveu nessa gestão um processo de construção de um novo modelo. E, mesmo com toda ação contrária, foi esse novo conceito, de uma educação essencialmente preocupada com o aluno, o responsável por fazer Goiás saltar da 16ª para a 1ª colocação no ranking do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação) e da 10ª para a 3ª posição no Aprova Brasil.

Fugindo do padrão tradicional de administrar, que se caracteriza principalmente pelo improviso, prezando pelo planejamento e introduzindo princípios gerenciais e de meritocracia em sua estrutura, o governo de Goiás buscará agora ser o mais competitivo do País. Socialmente bem desenvolvido e com um ambiente facilitador de negócios e do empreendedorismo, nosso caminho para essa conquista será árduo, mas, pessoalmente, tenho certeza de que esse lugar será alcançado.

Uma das maiores qualidades pessoais do governador é saber reconhecer as falhas e trabalhar, muitas vezes incansavelmente, para contorna-las, superar os obstáculos que se colocam à frente e conquistar seus objetivos. E é por esta sua característica que digo, com otimismo, que mesmo vivendo o principio de uma recessão econômica, saberemos vencê-la, já que é nas crises que surgem as melhores oportunidades e Goiás tem demonstrado que sabe bem aproveitá-las.

Enquanto outros estados atualmente passam por enormes dificuldades com seus recursos hídricos e cidades inteiras convivem diariamente com o racionamento, graças ao Sistema Produtor Mauro Borges, que será inaugurado nas próximas semanas, a Grande Goiânia terá garantia de água tratada até 2050. Até agora foram R$ 3 bilhões investidos no setor com a construção de 82 Estações de Tratamento de Esgoto, sendo que 70 delas já foram finalizadas.

Precisamos todos assumir nossas responsabilidades e até mesmo pela nossa função essencial de fiscalizar, os olhos desta Casa estarão sempre voltados para os atos do Executivo. Também por isto, ressalto que a independência deste Poder em nenhum momento pode causar qualquer risco ao benefício social e ser utilizada para o simples confronto político partidário.  Nós deputados precisamos dar o exemplo de que o fortalecimento das instituições públicas é a melhor forma de trabalharmos em prol da população, buscando a harmonia possível e a ação responsável. É o povo goiano quem agradecerá!

O primordial nas nossas ações será trabalhar, ao lado de outras entidades representativas, para permitir que os cidadãos tenham mais voz e participação na gestão das políticas públicas. Afinal, no nosso atual modelo de sociedade, em que a informação é instantânea e incontrolável, o papel principal na “novela da vida”, é da própria população que assume as suas responsabilidades e se torna cada vez mais exigente.

Os projetos e as realizações para os próximos quatro anos são muitos e já estão sendo traçados com um novo planejamento estratégico, desta vez com uma visão diferente. É chegada a hora de termos metas mais ambiciosas, de alcance nacional e mais próximas ao poder de realização da iniciativa privada, aproveitando melhor as parcerias que podemos estabelecer.

Sabemos que ainda estamos começando esta caminhada, mas os passos firmes e bem direcionados dados até agora nos permitem projetar um futuro de superação e conquistas. Com certeza ainda não será uma tarefa das mais fáceis, porque, até pelas próprias características da nossa sociedade, vamos conviver com muitas pedras no caminho. Mas como em qualquer tipo de relacionamento humano, sabemos que, por mais complexa e dolorosa que seja, a vida dá bons frutos aos perseverantes.

“É que tem mais chão nos meus olhos
do que cansaço nas minhas pernas,
mais esperança nos meus passos
do que tristeza nos meus ombros,
mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.”
Cora Coralina

 

Muito obrigado!!!!

 

Compartilhar