Acesso à
Transparência

Ícone alego digital Ícone alego digital

Aprovado em primeira votação projeto que amplia teste do pezinho em hospitais da rede pública

24 de Novembro de 2022 às 09:19

O Plenário aprovou, em primeira discussão e votação, o projeto nº 1800/19, do deputado Henrique César (PSC), que dispõe sobre a realização de Teste de Triagem Neonatal, na modalidade ampliada, em Espectromia de Massa em Tandem (EIM), nas crianças nascidas em hospitais e demais estabelecimentos de atenção à saúde da rede pública do estado de Goiás. 

A propositura recebeu apensamento dos projetos nº 2145/19, 6850/19, 5496/20 e 5897/20, de autoria dos deputados Delegada Adriana Accorsi (PT), Wilde Cambão (PSD), Paulo Trabalho (PL) e Cairo Salim (PSD). A matéria segue agora para segunda e defintiva votação.

Em suas justificativas, o deputado explica que o teste de triagem neonatal, popularmente conhecido como teste do pezinho, consiste no exame de algumas gotas de sangue do recém-nascido, extraídas geralmente na região do calcanhar. O objetivo é a prevenção de vários agravos, patologias e erros inatos do metabolismo que podem conduzir à deficiência intelectual e outros comprometimentos orgânicos que podem até levar a óbito.

O profissional responsável fura, com lanceta especial o pezinho do bebê e encosta o papel especial (um tipo de filtro) no local da picada, deixando o sangue ser absorvido até saturar todos os círculos do cartão, de ambos os lados. “Esse exame, realizado com o propósito de diagnosticar precocemente algumas doenças hereditárias, os chamados Erros Inatos do Metabolismo (EIM), também evoluiu para triagem e confirmação diagnóstica de patologias congênitas e infecciosas”, esclarece Henrique César.

Em 13 de Julho de 1990, a Lei Federal n° 8.069, torna este programa obrigatório para todas as crianças brasileiras. Tal exame, ficaria popularmente conhecido com "teste do pezinho" devido ao fato de ser o calcanhar do bebê o lugar onde se faz a função capilar para coleta de sangue.

A EMT é uma tecnologia que permite triar uma única amostra, mais de 30 Erros Inativos do Metabolismo (EIML) o que não é possível fazer com a triagem convencional fluorimétrica.

"Acreditamos que a doação de modelo de triagem neonatal como ora propomos pode construir-se em contribuição expressiva para o progresso da saúde pública no estado de Goiás, sem representar, no entanto, um acréscimo relevante nas despesas do setor", afirma Henrique César.

 

Agência Assembleia de Notícias
Compartilhar

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse nossa política de privacidade. Se você concorda, clique em ESTOU CIENTE.