Acesso à
Transparência

Plenário diz sim ao programa ‘Mães de Goiás’ e matéria segue para sanção do governador

20 de Julho de 2021 às 17:16

O Plenário do Legislativo goiano aprovou, com 24 votos favoráveis e nenhum contrário, a propositura de nº 6302/21, que visa a criação do programa "Mães de Goiás", destinado a garantir atenção social e financeira às mães que tenham filhos com até seis anos de idade e que vivem em situação de extrema pobreza. Com a aprovação, o projeto segue, agora, para sanção da Governadoria do Estado. 

A matéria garante a essas mães um benefício mensal no valor de R$ 250,00. O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal será utilizado para identificação e caracterização das famílias em extrema pobreza. De acordo com justificativa do Poder Executivo, o programa tem o objetivo de fortalecer o papel de proteção da mãe e construir caminhos para superar os riscos sociais, garantir a segurança alimentar, fomentar segurança de renda e a melhor qualidade de vida, fomentar e qualificar profissionalmente os beneficiários e assegurar a permanência dos filhos na escola.

A propositura assegura os direitos sociais à alimentação e à educação conforme os artigos 6, 205 e 227 da Constituição Federal, bem como o direito à assistência aos desamparados, uma vez que a alimentação constitui direito fundamental à dignidade da pessoa humana, de acordo com o disposto no inciso 111 do artigo 1º da Constituição Federal.

O projeto prevê que a inclusão dos beneficiários será progressiva por meio de seleção conforme os critérios estabelecidos na proposta e em harmonia com o planejamento orçamentário-financeiro do Estado. Além disso, a pasta evidenciou que o programa utilizará recursos financeiros do Protege Goiás, e que ele faz parte do Programa Goiás Social, cujos valores já foram discutidos pelo Conselho do Fundo Protege.

A matéria mostra, ainda, a estimativa do impacto orçamentário-financeiro e a declaração de adequação orçamentária e financeira, tudo previsto na Lei nº 20.968, de 18 de fevereiro de 2021, que estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício de 2021, bem como na Lei nº 20.755, de 28 de janeiro de 2020, que dispõe sobre o Plano Plurianual para o quadriênio 2020/2023.  A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) atestou a viabilidade jurídica da proposta.

A deliberação da propositura ocorreu durante a Ordem do Dia da sessão extraordinária que está sendo realizada na tarde desta terça-feira, 20.  O encontro, que ocorre de forma híbrida, é mais um dos que estão acontecendo, por convocação do Governo estadual, para votação de projetos de lei de sua autoria e que demandam urgência na apreciação. 

Agência Assembleia de Notícias
Compartilhar